Reintegração de crianças em suas famílias

Passo a Passo 101 - Assistência aos órfãos

Inclui estudos de casos, atividades infantis e uma entrevista comovente sobre como é crescer em um centro de acolhimento infantil.

Reintegração de crianças em suas famílias

Godfrey Turyatemba e Susan M. Otai 

Reintegração significa ajudar as crianças a retornarem para suas famílias e comunidades.

Tanto as crianças quanto as famílias precisam de um apoio cuidadoso antes de poderem ser reintegradas. O processo exato que elas seguirão dependerá da sua situação única. É importante não apressar o processo. No caso de crianças que passaram algum tempo na rua ou em uma instituição, o processo geralmente leva pelo menos seis meses.

A criança segue este processo:

Resgate: A criança pode ser encaminhada por hospitais, assistentes sociais ou pela polícia. Às vezes são encontrados bebês em latas de lixo ou nas sarjetas.

Reabilitação: Os assistentes sociais devem fazer um levantamento inicial sobre a criança. Este levantamento mostra como ela está em termos físicos, mentais, emocionais, médicos, psicológicos e intelectuais. As necessidades imediatas são identificadas e tratadas antes de a criança ser reinstalada de volta na família.

Plano de assistência: O plano de assistência deve incluir informações sobre as necessidades da criança e como a reintegração será realizada. Ele também traz informações sobre o prazo, a pessoa responsável, os custos envolvidos e as etapas para concluir a reinstalação. É importante ajudar a criança a se preparar emocionalmente para a reintegração.

O trabalho com a família inclui:

Localização de familiares: Os assistentes de apoio localizam a família biológica da criança ou encontram uma família de acolhimento. Eles visitam a família e conversam sobre a criança.

Levantamento e preparação: Os assistentes sociais fazem um levantamento para ver se a família é capaz de cuidar da criança sem colocá-la em risco.

Visitas à família: A criança visita a família e começa a formar um vínculo antes de ir morar permanentemente com ela.

Construção de redes de apoio: São organizadas visitas para vincular a família com os serviços de apoio da comunidade. Estes incluem os agentes de saúde, assistentes sociais e líderes comunitários e religiosos.

Depois que tudo isso foi feito, a criança pode ser instalada na família. Depois que a criança é colocada na família, um assistente social deve visitá-la dentro de sete dias para ver como ela e a família estão indo. Um assistente social deve visitar a família regularmente até que a criança esteja totalmente instalada. As visitas geralmente ocorrem uma vez por mês durante os primeiros três meses e, depois, uma vez a cada três meses, por até um ano, dependendo da situação da família. A organização deve manter contato com a criança mesmo depois que ela tiver deixado o programa.

A CRANE é uma rede de organizações cristãs de Uganda e parceira da Viva. Eles trabalham para inspirar mudanças duradouras na vida das crianças através da ação coletiva.

Site: www.cranenetwork.org
E-mail: administrator@cranenetwork.org